Tratamento Para Dependência Química

Dependência Química

A Dependência Química é a falta de controle do indivíduo no consumo de substâncias psicoativa, ou seja, qualquer substância que altere seu comportamento, independente serem de origem natural ou química, como a cocaína, crack, heroína, maconha ou o álcool.

Sendo uma doença crônica e considerada um transtorno mental, a dependência química comumente atinge indivíduos que fazem uso constante de determinadas drogas. O dependente acaba por não mais conter a vontade de consumo, afetando sua vida psíquica, emocional, física e social, consequentemente, afetando também seus amigos e familiares.

Sintomas de Dependência química

Alguns dos sintomas da dependência química são:

  • Desejo incontrolável de usar a substância
  • Perda de controle (não conseguir parar depois de ter começado)
  • Aumento da tolerância (necessidade de doses maiores para atingir o mesmo efeito obtido com doses anteriormente inferiores ou efeito cada vez menor com uma mesma dose da substância)
  • Indisciplina;
  • Irritabilidade;
  • Impaciência;
  • Desonestidade;
  • Descontrole financeiro;
  • Venda de objetos pessoais;
  • Pequenos furtos;
  • Intolerância;
  • Depressão;
  • Frustração;
  • Exaustão;
  • Autopiedade.

Sintomas de abstinência:

  • Sudorese
  • Tremores
  • Ansiedade quando a pessoa está sob efeito da droga

Como funciona o tratamento para dependência química

Em um primeiro momento, é feita uma avaliação psiquiátrica e toxicológica para diagnosticar o grau de dependência, de quais substâncias e qual o grau de prejuízo das funções cognitivas do paciente.

A partir disso, se dá início o processo de desintoxicação, o que é executado junto à equipe de enfermagem.

 

  • O tratamento da dependência química deve ser feito mediante internação em clínicas de recuperação qualificadas e legalizadas, onde o dependente possa desfrutar de acompanhamento especializado para se livrar do uso das drogas.
  • Durante o período de tratamento o dependente químico desenvolve atividades individuais e coletivas, é acompanhado por psicólogos, psiquiatras, educadores físicos e até educadores espirituais, que o ajudará na conscientização e construção de uma nova vida sem as drogas, estando apto, no final do tratamento, para retornar à sociedade e o convívio familiar.
  • Nossos tratamentos da dependência química tem como foco a raiz do problema, não tratando de forma superficial o uso das drogas. Diversos fatores impulsionaram o dependente ao consumo de drogas, como: problemas familiares, emocionais, sentimentais, psicológicos, profissionais e até mesmo a influência de más companhias, desta maneira, alcançamos o objetivo proposto, de resgatar a qualidade de vida do paciente.

Quanto às terapias indicadas para o paciente, existem muitas delas, as quais são escolhidas conforme as necessidades de cada um. Entre elas, podem ser citadas as seguintes:

  • Terapia cognitiva comportamental
  • Terapia sistêmica
  • Neuropsicológica
  • Aplicações de testes de personalidade e projetivos
  • Constelação familiar
  • Terapia ocupacional
  • Aconselhamento em álcool e drogas
  • Pronto atendimento clínico
  • Educação física

De forma geral, as principais etapas do tratamento para dependentes químicos são três. A seguir, compreenda melhor cada uma delas:

Desintoxicação intensiva

Essa é a primeira fase do tratamento porque consiste em não só fazer com que o paciente pare com o uso das drogas como também consiga controlar os sintomas que são comuns de aparecer durante as crises de abstinência.

Nessa etapa, o uso dos fármacos pode tornar mais tolerável os efeitos colaterais, facilitando, assim, chegar à próxima etapa.

Reabilitação Individualizada

Nessa fase, o objetivo é o de restaurar as crenças do paciente, que foram prejudicadas pela dependência. Para tanto, é preciso criar as condições necessárias para o paciente reconstruir o alicerce que vai ajudá-lo a promover as mudanças em sua vida.

A partir disso, o indivíduo consegue mudar a sua forma de pensar e viver com qualidade. Tudo isso é feito com o auxílio de uma equipe multidisciplinar, que vai realizar as terapias mais adequadas de acordo com as suas necessidades.

Conscientização sobre a dependência química

Essa é a etapa em que o paciente participa de grupos de ajuda mútua, as quais ajudam o mesmo a restabelecer laços interpessoais e, assim, aos poucos, voltar a viver de maneira mais próxima da normalidade.

É preciso que ele entenda que está no processo de cura, mas que ele pode ser longo e que força de vontade é essencial para os resultados serem duradouros.

Como funciona o período pós o tratamento

Na grande maioria dos casos, os pacientes que passam pelo tratamento para dependência química, mesmo depois que o finalizam, precisam continuar com tratamentos não medicamentosos para sempre.

Só assim é possível manter o processo de cura.

Dessa forma, é possível a participação dos chamados grupos de mútua ajuda, como também integrar os grupos de apoio à abstinência em serviços de tratamento especializado em dependência química.

Outra forma de continuar com o tratamento não medicamentoso é por meio de sessões de psicoterapia individual. Eles são fundamentais para manutenção do processo de melhora.

Quando e por que procurar tratamento para dependência química

Infelizmente, o paciente, quando busca ajuda médica para tratar a sua dependência química, já está em uma fase muito avançada do problema, quando os danos a sua vida são grandes, o que faz perceber que o tratamento é a única forma de recuperar o que perdeu.

Porém, não raro não é o dependente químico que percebe essa necessidade e, sim, a sua família ou pessoas próximas.

Nesse caso, é preciso intervir com o denominado tratamento involuntário, ou seja, quando é a família ou responsáveis que determinam que está na hora de iniciar o tratamento.

Esse atendimento é restrito porque além de exigir instalações mais seguras para os pacientes nas instituições, existe uma legislação que protege os direitos do indivíduo, quanto a sua vontade ou não de ser submetido ao tratamento médico.

De qualquer forma, o mais comum é que o tratamento inicie quando na vida no paciente já se acumulam problemas físicos, como as convulsões que se tornam frequentes; mentais, como alucinações, depressão e outras.

Quando a dependência afeta as atividades que desempenha, o que pode levar à perda do emprego; ou atrapalha a sua vida pessoal, levando à separação.

Outras situações que mostram que chegou a hora de buscar tratamento para dependência química são quando o indivíduo está com problema com a justiça ou financeiros, como dívidas, as quais também podem levar às complicações com a justiça.

O mais importante é que o tratamento seja iniciado o quanto antes.