Internação Involuntária

A internação involuntária é a prática de utilizar meios legais como parte de uma lei de saúde mental para internar uma pessoa, contra a sua vontade ou sob os seus protestos.

No caso da internação involuntária do paciente dependente químico é realizada quando a sua capacidade psíquica é afetada momentaneamente devido ao abuso de substâncias psicoativas (drogas e álcool). O dependente não consegue mais escolher entre o consumo e a abstinência, ele está tão tomado pela doença que não consegue perceber os danos que causa a si e à sua família.

1 – Porque é necessária a internação involuntária?

A internação involuntária é uma intervenção necessária, quando o indivíduo já está tomado pela dependência,e não consegue mais distinguir o que faz bem ou mal para si e sua família,
podendo sofrer consequências graves, inclusive a morte. E a família, neste momento, deve ter a consciência de que internar, mesmo contra a vontade do paciente, é o caminho para que o indivíduo torne a ter uma vida sem a dependência das drogas.

2 – É um procedimento legal?
Sim. A internação involuntária está prevista pela Lei 10.216, de 6 de abril de 2002, regulamentada pela portaria federal nº 2.391/2002/GM.